Claudinei Sousa

Ex empacotador, dono da rede de supermercados Big Compra fez parte de sua história com muita dedicação, superação e empreendedorismo e hoje possui sete lojas: 4 em Ribeirão Preto, 2 em Franca e 1 em São Joaquim da Barra.


Claudinei começou no ramo de varejo desde muito cedo. Com 12 anos já trabalhava como empacotador e passou por todas as áreas de um supermercado. “Fui padeiro, açougueiro, já trabalhei em frios, montei loja, abasteci gôndola, arrumei depósito, fiz entregas. Tudo que eu sei, aprendi aqui.

Minha formação acadêmica é supermercado”, conta o empresário….

Continua…..

O COMEÇO DE TUDO

Com apenas 20 anos, foi convidado para trabalhar em uma grande rede de supermercados, onde assumiu uma grande responsabilidade por supervisionar operacionalmente todas as lojas da rede. “Eu era muito novo e já tinha muitas responsabilidades, já era casado, tinha família e filhos. Naquela época eu já pensava em montar um negócio meu e esse sonho sempre me acompanhou”, conta Claudinei.

Depois de 12 anos trabalhando nesta grande rede, surgiu a oportunidade de comprar um pequeno supermercado, no bairro José Sampaio, em Ribeirão Preto. Na época, Claudinei tinha um sócio e os dois compraram também uma segunda loja que ficava em Guaxupé.

O desafio era colocar esse supermercado nos eixos. Demorou 1 ano para fazer a loja sair do vermelho e voltar a dar lucro. Após 2 anos da compra do primeiro supermercado, o empresário adquiriu uma outra loja na Vila Tibério que já foi inaugurada com o nome Big Compra.

Em 2006, Claudinei negociou mais um supermercado no bairro José Sampaio que estava fechando. A loja era maior e a poucas quadras da primeira, o que levou o empresário a concentrar as operações no bairro neste novo endereço, uma decisão acertada que aumentou o faturamento da unidade. Nesse momento, a sociedade acabou e Claudinei assumiu sozinho as lojas de Ribeirão Preto.

A EXPANSÃO

Em 2008 mais um passo importante foi dado para o crescimento da rede Big Compra: a aquisição de duas lojas da rede de Supermercados Granero, de Franca, SP. “A proporção das lojas era muito maior do que as de Ribeirão Preto, tinham o dobro do tamanho. Isso me mostrou que eu precisava melhorar minha estrutura e minha gestão e começamos a focar nisso”, conta Claudinei.

Depois de 4 anos, com a reestruturação interna, processos mais definidos e departamentos mais organizados, era hora do grupo voltar a crescer. Em 2012, a rede de Supermercados Big Compra comprou 2 unidades do Supermercado Cavalin no Simioni e Parque São Sebastião. Além disso, começou-se um projeto de reforma das lojas, padronização e melhora da comunicação visual.

A QUEDA

A queda e a volta por cima

Em junho de 2015, um incêndio que durou 24 horas, destruiu todo depósito da loja 05 no Parque São Sebastião, na época era o centro de distribuição principal da rede. Para limpar o depósito após o incêndio e tirar de lá os produtos queimados, foram necessários 80 caminhões.

“Foi um momento difícil, mas as pessoas me perguntam: o que você perdeu? Eu respondo: eu não perdi nada. O que eu aprendi com esse incêndio não tem preço. Com essa fatalidade eu mudei a forma de conduzir a minha empresa, me organizei, me estruturei. De lá pra cá a empresa não tem feito outra coisa que não organizar as lojas e fazer melhorias de estrutura”.

O supermercado que ficava ao lado do depósito não foi queimado, mas ficou sem energia e funcionando com geradores por meses. Depois de uma semana, já estava funcionando novamente. O depósito foi reconstruído e reinaugurado em dezembro do mesmo ano. “Nunca pensei em desistir e a as pessoas que trabalham comigo e minha família foram os pilares para que eu conseguisse me reerguer”.

Em 2016, mais uma loja foi inaugurada em São Joaquim da Barra com um conceito diferente e que se tornou o supermercado referência na cidade.

“Nunca pensei em desistir e a as pessoas que trabalham comigo e minha família foram os pilares para que eu conseguisse me reerguer”.

PILARES

“Foi um momento difícil, mas as pessoas me perguntam: o que você perdeu? Eu respondo: eu não perdi nada. O que eu aprendi com esse incêndio não tem preço. Com essa fatalidade eu mudei a forma de conduzir a minha empresa, me organizei, me estruturei. De lá pra cá a empresa não tem feito outra coisa que não organizar as lojas e fazer melhorias de estrutura”.

MOMENTOS
“Foi na loja 1 que eu comecei. Lá eu embalava, atendia, tinha um contato muito próximo com os clientes, então todos me conhecem. Tem funcionários que estão desde o Lopes Serv. É muito prazeroso agora entregar essa loja reformada para a comunidade, do jeito que eu gostaria e do jeito que eles merecem”
Loja José Sampaio

Para 2018, a meta da rede é focar em reestruturação, rever processos que levem o grupo a tomar decisões cada vez mais embasadas em indicadores.

“Queremos crescer do lado de quem fez a gente e faremos de nossas lojas um presente para todos os clientes que tornaram possível o nosso começo.”